domingo, 18 de junho de 2017

Criança liberta




Queria ser criança liberta
Criança nascida do verde louro
Que grita aos sete ventos
E pula de pés descalços 
Sobre a terra árida deste terreno
Uma criança que não tem medo dos espinhos da flor
Celebra sua curiosidade
Andando entre os pântanos úmidos
À procura de novos territórios para construir suas fantasias
Nada de parquinhos
Ou brinquedos que pouco me exigem de 
Tato
Queria ser criança da terra
Crescendo em raízes férteis,
as verdes folhas e seus finos ramos
Florescer e brincar no amanhecer de um dia fresco
sem mais temer os ventos
sem mais temer as tempestades
nem as cicatrizes... 

G.MOON

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O estranho

Todas as noites Uma névoa de letras E palavras soltas Entre nós e caminhos Feitos e desfeitos Debatem entre si E nesta pe...