terça-feira, 30 de junho de 2015

.a lua acordou cedo hoje

 
tentei tirar uma fto, mas não ficou boa... peguei do google mesmo.


Assim, de tardinha, o céu ainda exibia um fraco azul-celeste. Deparo-me com a Lua - linda, cheia, aos poucos, saindo detrás das nuvens... Como uma gloriosa artista que, a cada aparição, apresenta-nos um espetáculo diferente. 


segunda-feira, 29 de junho de 2015

.abismo

 
subimos, subimos
enquanto sorrisos e lágrimas
cruzam nossos caminhos
saltamos em frente, caímos e
levantamos antes que rebente
quando, acima, mirante
deparamos, sobre nossos pés....
apenas uma pilha de cartas
que desmoronam ao primeiro sopro dos deuses


domingo, 28 de junho de 2015

Sobre um poema / Herberto Helder



Sobre um Poema

Um poema cresce inseguramente
na confusão da carne,
sobe ainda sem palavras, só ferocidade e gosto,
talvez como sangue
ou sombra de sangue pelos canais do ser.

Fora existe o mundo. Fora, a esplêndida violência
ou os bagos de uva de onde nascem
as raízes minúsculas do sol.
Fora, os corpos genuínos e inalteráveis
do nosso amor,
os rios, a grande paz exterior das coisas,
as folhas dormindo o silêncio,
as sementes à beira do vento,
- a hora teatral da posse.
E o poema cresce tomando tudo em seu regaço.

E já nenhum poder destrói o poema.
Insustentável, único,
invade as órbitas, a face amorfa das paredes,
a miséria dos minutos,
a força sustida das coisas,
a redonda e livre harmonia do mundo.

- Em baixo o instrumento perplexo ignora
a espinha do mistério.
- E o poema faz-se contra o tempo e a carne.
 Herberto Helder :3  fonte

quinta-feira, 25 de junho de 2015

.a menina e o homem indiferente

http://40.media.tumblr.com/075b091d1b9707e943ae32c642380583/tumblr_mpbedx6NMO1ssbq4vo1_500.jpg

I
você não parece aquele homem comum,
como todos gostariam que fosse
eu sei, tenho o mesmo sangue,
talvez, até as mesmas máscaras
mas, nunca consegui sentir você aqui dentro.
sei também, não me entende
não se comunica
chega, senta ali e, simplesmente... some
como se nada ao seu redor lhe pertencesse.
posso te entender - às vezes também sou assim
mas, nada me machuca mais do que o seu olhar frio
sinto-me uma criança sem herói,
a princesa que não tem mais o seu rei
a menininha, de seis anos, parada na porta de casa
à espera daquele que parece não saber como é amar


II

antes acreditei em seu espírito contido
a alma poeta, a contar histórias antigas
de modo fascinando.... cheio de paixão
mas, hoje, depois de tantos momentos,
percebi todo o seu desgosto,
a indiferença, que não só me atinge,
como me destrói
busco o amor em outras estradas
tenho fontes incondicionais,
abraços fortes, dores abafadas em apertos quentes
porém, feridas como essa não podem ser saradas
envolvem o mesmo sangue; correm pelos mesmos fluxos
ocupam os mesmos espaços
talvez eu seja igual a você - em muitas instâncias
mas, trato a cada dia, de descobrir como é amar.





quarta-feira, 24 de junho de 2015

Prosa do dia 24/06/2015



Esses dias estão bem corridos para mim... Estou muito atarefada e quase não arranjo tempo para nada, só para descansar mesmo. Nada de produções, GR com dois capítulos atrasados e só consegui fazer um resumo para estudar ... Mas, estou bem. Apesar de toda correria, estou bem. Minha mãe está doente e, sem ela no comando da casa, instala-se a bagunça. Ela já está melhor, mas teima em querer fazer tudo do jeito dela... Enfim, coisas de mãe mesmo. Estou a desenvolver um método aqui dentro de nunca deixar de fazer o que é necessário, mesmo a contragosto. Odeio ter que enfrentar pessoas odiosas, odeio lidar com situações que me enojam, mas certas horas é preciso... Eu tenho que passar por isso. Eu preciso passar por isso. Experiências nunca são demais, é só manter o controle. ( Apesar de que a raiva às vezes sobe ~ preciso controlar também).
Assim, durante todas as minhas reflexões dos últimos dias, descobri alguns dos meus lados maldosos e me senti muito feliz por isso. Estranho? Talvez. Mesmo que a maioria deles estejam escondidos, quando alguns vêm à tona, sempre é bom ficar de olho... Por isso fiquei feliz. Todo mundo sente vontade de fazer algo ruim, mas se condena.. - comecei a pensar que é uma parte inerente ao nosso ser, só não podemos causar algum mal ao outro. Temos que aprender a controlar esses instintos destrutivos. Mesmo que pareça impossível... 
Não tenho muito a dizer... Só estou com saudades do blog, poesias, animes, livros, textos escritos... Enfim, de todas as minhas válvulas de escape. Pelo menos, estou ocupada e isso mantém a minha mente controlada, focada. Quando fico sem ter o que fazer, geralmente, meus pensamentos embrulham-se em uma névoa e são transportados para um verdadeiro inferno de ansiedade e pessimismo... Isso me serve, muito... Mas, adoece-me. A música me ajuda e muito. Nessa última semana escutei muito de Björk :)



>> Espero postar algo mais ainda hoje ;)



domingo, 21 de junho de 2015

.human behavior

Comportamento Humano


Se você alguma vez chegar perto de um humano
E do comportamento humano
Esteja preparado, esteja preparado para ficar confuso
E eu e o meu além

Não há, definitivamente, definitivamente, definitivamente lógica alguma
Para o comportamento humano
Mas ainda assim, tão, ainda assim, tão irresistível
E eu e meu medo não podemos

E não há mapa algum, incerto

Eles estão terrivelmente, terrivelmente, terrivelmente mal-humorados
Pelo comportamento humano
Então, de repente, ficam felizes
E eles e o meu além

Mas, oh, se envolver na troca
Das emoções humanas
É sempre tão, sempre tão satisfatório
Eles e o meu aqui

E não há mapa algum, incerto

Comportamento humano, comportamento humano
Comportamento humano, comportamento humano

Não há mapa
E uma bússola
Não ajudaria
Incerto

Comportamento humano, comportamento humano
Comportamento humano, comportamento humano

Não há definitivamente, definitivamente, definitivamente lógica
Humano, humano, humano
 


quinta-feira, 18 de junho de 2015

.jun kumaori


Certas horas nós encontramos coisas tão incriveis..Assim, do nada, que arrancam sorrisos sem muito esforço :) Esses dias eu procurava imagens para capa do post e encontrei um artista muito singelo... Encantador! Cada detalhe, os olhares das meninas colegiais, os animais, os tons... Tudo me fascinou de um jeito estranho e agora, estou apaixonada!Procurei informações sobre o artista e não encontrei quase nada, só sei que é japones (ou japonesa ~ ). Só encontrei um site, totalmente em japonês, que expõe as obras. Olhei de 2008 a 2015 e as obram parecem que contam as aventuras de duas meninas colegiais e eu acho que elas se encontram *-* Achei muito fofo!

Então... Selecionei as minhas favoritas! Não tenho mais nada a falar, as obras dele/a falam por si mesmas.





maravilhoso!

essa é linda ♥




Sinto muito por não conseguir o nome das obras... a tradução do google tradutor não são muito legais :/

quarta-feira, 17 de junho de 2015

.surto de mundo

jun kumaori 
não sei onde depositei toda 
aquela antiga positividade
aquele menino otimista; não tão sorridente
mas que sonhava com dias melhores
e hoje, vê que tudo não passava de uma alegria rasteira
- contos de adolescência.
 percebi que o mundo não tem olhos 
para quem não sente os pés sobre a terra dura
e não se finca neste surto que chamam de mundo.



terça-feira, 16 de junho de 2015

.poesia



































diretamente do Canal de Poesia :) Não consegui compartilhar o post... Então printei, para não perder a essência :)


.versos e estrelas

http://1.bp.blogspot.com/_fs2W1BAMfiI/THPX0hPN-zI/AAAAAAAAAI8/acUP_zStaOM/s1600/tumblr_l40qgsvbCh1qbwogr.jpg

e se tudo fosse como nos nossos desejos?
porque os deuses... onipotentes, onipresentes...
Riem de nós?
o humano talvez tenha nascido para sofrer.
para se acostumar ao seu destino certeiro:
a morte.
mas eu consigo ainda me sentir vivo por dentro
mesmo que nada me abrace, nada me acalente
tempestuando por dentro,
asfixiando-me nesse mundo que tenta engolir 
todos os meus sonhos.
podem rir! deuses, monstros podem rir!
porque meu coração não mais se cala,
nem se prende!
joga-se em um poço sem fim de versos-estrelas
e seus desígnios, marcados em anos de luz,
defendem-se destas manias (loucuras) 
dos escritos divinos.



voltando às antigas manias...


segunda-feira, 15 de junho de 2015

.choque!



Acho que esses dias eu tomei um choque e estive com caneta e papel em mãos... Escrevei sobre tudo que dominava a minha cabeça... Esses estou assim, falando o que me vem e escrevendo também.... Talvez, seja uma válvula de escape. É melhor do que guardar e amargar, como muito me acontece. Quero apoderar-me cada vez mais dessas palavras... Acho gostoso, saudável. É como uma aceitação... Esta que já tento praticar há muito tempo. Estou sentindo um disposição estranha, e quero que ela perdure... Como nunca perdurou. Só quero ter-me mais tranquila. Não vou me forçar a mais nada.




E.. Vamos lá. Tudo que vier... Será. Não vou mais me matar por dentro.


sábado, 13 de junho de 2015

sono.



senti aquela besta vindo sobre as montanhas
e vi em seus olhos que meu fim não poderia ser tão 
caloroso.
soltei os meus papéis,
 larguei aquelas palavras sem vida,
e andei sobre montes,
como se ansiasse ,
a presença destruidora dela.
antes quis as fantasias - 
as ilusões não me serviam mais,
o mundo que eu tentei servir, 
era o mundo que eu desejava servir.
deixei que ela soltasse minhas lágrimas,
com suas deliciosas acusações, ela tomou a minha voz
deixei que estapeasse, sacudisse, 
trouxesse o caos
e, só assim, acordei!
acordei do meu tenebroso sono,
e percebi o quanto é gracioso
o primeiro raiar de sol,
ao renascer.


... e a sombra me estapeou.



cantinho.



posso ter todo o olhar para o mundo
mas foram tantos os meus ~ tremores ~
que não consigo mais me abraçar em tudo
se vem a chuva; eu me fecho,
se é sol, eu estou sobre a sombra,
e ela parece tão confortável
e tão cheia de lugares onde posso
espernear sem qualquer barulho.
posso ter todo olhar sobre o mundo
mas meu sentimento
se acostumou a ser tão sozinho...
e eu não quero mais nada

a não ser, o meu doloroso
cantinho.



- tantos dias que fiz... não sei porque guardei :/


quarta-feira, 10 de junho de 2015

perfume.

 
"Só abria os olhos sob o luar. O luar ignorava as cores e apenas desenhava vagamente os contornos do terreno. Cobria o país com uma camada de um cinzento-sujo e, durante a noite, asfixiava a vida. Este mundo semelhante a um molde de chumbo, onde nada se mexia à excepção do vento que, por vezes, agitava as florestas cinzentas e onde apenas existiam os odores da terra nua, era o único mundo que ele aceitava, dado parecer-se com o mundo da sua alma."
 Perfume: A História de um assassino, Patrick Süskind.

Fragmento do livro que estou apreciando... Provavelmente, farei um post sobre ele! :)




terça-feira, 9 de junho de 2015

.onde ela está?



estou digitando essas palavras enquanto seguro algumas lágrimas em meus olhos. 
lágrimas essas que eu nem sei de onde vêm. mas eu sei muito bem porque eu tanto seguro aqui dentro. sei, não é saudável, nem um pouco bonito fazer isso.... porém nem sempre aquilo que nós fazemos, condizem com o que sentimos, e tudo mundo algum dia já fez/faz isso. às vezes eu só acho que é alguma invenção da minha mente, ou - como já disse antes - que tudo realmente está errado, ou incompleto. são só 18 anos, 18 anos vividos. e eu sempre me pergunto o que é tudo isso. porque sou tudo isso. porque vivo tudo isso. ou, como lidar, ser, viver. porque jogo tantas palavras para os ventos e continuo a viver como se fosse tudo insignificante, talvez seja. eu vejo as pessoas falarem sobre coisas que eu não entendo, que eu não consigo me acostumar... eu convivo entre círculos os quais eu não sei se vou conseguir prosseguir. só penso que não sou capaz, mas na verdade eu sou, eu posso ser, mas... como? eu penso às vezes que eu mesmo crio um escudo contra tudo... e... me escondo nele. sim, o problema pode estar todo comigo.. ou não.. talvez... quem sabe? e são tanto sorrisos... tantas conversas, tantas páginas roladas, fotos... porque será que eu não consigo me integrar a isso? será que... não é realmente o meu mundo? 
eu estou em um emaranhado de pensamentos... e eles não se concentram... nem se conectam... 
onde está aquela menina madura agora?




"menina", estou em mim novamente. e, agora, sempre procurando respostas.

domingo, 7 de junho de 2015

.veneno


"eu poderia estar sóbrio
poderia estar cheio de certezas
talvez.
se o meu mundo não girasse em torno de você
talvez se os teus olhos não fosse tóxicos
maliciosos,
destruidores"

     



                     

terça-feira, 2 de junho de 2015

afaste-se de mim!



o que queres de mim?
por que me olhas assim?
Sabes muito bem que não posso,
não mereço
porque, em você, eu me esqueço!
Sabes que nunca estarás comigo
por mais que eu chore, 
grite - anseie.
corra, segue o teu caminho!
pois, o meu não te cruza,
não te pertence!
abandone os meus sonhos,
deixe de embalar os meus desejos
voe, voe para longe!
levando tudo o que
meu coração
apetece.

e eu espero que isso não seja paixão... por favor! não! :(



PERDÃO

Eu deveria pedir perdão A mim mesma. Pelas histórias inventadas Os sentimentos perdidos E as palavras mal explicadas Eu deveria p...