sábado, 21 de junho de 2014

- "Por onde anda o meu "amor"?"



Venho hoje falar de um assunto sério. Seríssimo. Tão sério que até estou ansiosa antes de digitar.
Sim, amor - Paixão, namoro, beijo. Aquela coisa de sentir borboletas no estômago, Olhares vazios, idiotices de apaixonados adolescentes, "ficar", fugir, chorar, chocolates, flores, conversas bobas e blá, blá blá....
Tenho 17 anos, e nunca vivi isso. 

Já acreditei estar "apaixonada", mas, depois, descobrir que era apenas amizade. Fiz até cartõezinhos com ajuda de amigas, mas nada daquele sentimento grande, que você paralisa e não pensa em mais nada a não ser em determinada pessoa. Aquela sensação desesperadora, de que o mundo sumiu e, se eu não ficar com o "alguém" não terei mais nada. A maioria dos adolescentes relata que já viveu algo do tipo. Dizem que são até lembranças engraçadas, outras dramáticas e, algumas, mais vagas, mas quase todo mundo disse que já passou pelo mesmo momento. São situações para jogar na roda de amigos, para lembrar-se das cartas guardadas, para rir sozinho enquanto se recorda.
Todos sabem onde já estiveram seus "amores".

Eu, sinceramente, nunca tive essa sensação. Talvez, eu tenho até sorte. Ou, pode ser pela minha personalidade meio que fria, distante, que nunca permitiu se entregar totalmente ao sentimentos. Já tive tantas oportunidades, perdi todas. Por timidez, medo, falta de coragem. O pior, é que eu não consigo evitar.
Apesar de sempre escrever de tudo um pouco - até mesmo sobre amor, algo que nunca pude experimentar - Não vivo com muita intensidade. É um "defeito" meu, que às vezes, agradeço aos deuses por ter. E, quase sempre, condeno-me por não ter. A adolescência precisa de intensidade. Ardor, paixão, loucuras, EMOÇÃO. Eu admito, minha adolescência não foi assim. E, confesso também, a culpa é minha.

Então, meu amor talvez só se apresente quando eu permitir e souber lidar com algumas características minhas. Por enquanto, acho que vai continuar assim. Sei que posso estar errada, não vou ter como voltar atrás, mas, às vezes penso comigo mesma, eu 'acredito' que estou bem assim, pra quê querer remexer? Acho que é bom me abster de certas coisas - porém, muitas vezes, elas são necessárias para crescer.

2 comentários:

  1. Olá Dandy~ eu sou a Snow e está sendo algo muito interessante ler estas palavras que acaba de digitar, porque finalmente percebi que não estou sozinha nesse mundo, pelo menos não quando se trata desse assunto em questão. O amor. Pensei que era uma sortuda desafortunada por estar nessa condição de nunca ter tido experiências amorosas, e veja que tudo o que li parecia ser um perfeita descrição de mim quanto esse assunto, só não sei dizer se isso é algo bom ou não, ahaha' xDD

    Se não me engano nunca deixei um comentário aqui, e isso se segue desde quando você comentou em uma fanfic minha e eu segui seu blogue, mas cá estou, com um assunto no qual nos assemelhamos (até pela idade...).

    Adió ♥

    ResponderExcluir
  2. - Ah! Ainda bem que não estou só nesse mundo! Também tinha a impressão de ser uma "estranha" em relação a isso, mas ainda bem que ñ :3
    Muito obrigada pela sua visita Snow ☆! Beijo :*

    ResponderExcluir

Chamam meu nome?

Entendo aquele olhar Chamam meu nome lá fora? Entendo aquele toque Chamam meu nome lá fora? Não há futuro para mim aqui dentro Não...