quinta-feira, 23 de novembro de 2017

poesia e prosa para esvair




















O toque
O cheiro, a sensação
Os nervos que se estressam
Os sentimentos que sobem à minha cabeça
É sempre igual
Seja por conta daqueles olhares
O gesto e a voz
É sempre igual
Um sentimento contido
Meu suspirar torna-se cada vez mais fundo
Certa vez sonhei que estava a ponto de eclodir
E no sonho tudo parecia alívio
Tudo parecia tão sincero
Então eu acordei
Acordei e o sentimento real me toma
Mas não me doma, não se estende
Permanece aqui dentro, crescendo,
estendendo-se por todo o meu corpo.
Sabe aquele aperto sem explicação?
Um choro que vem e suprime,
vem e estoura,
espanta toda visão do que há de bom
são como nós, fortes e bem atados
aqui dentro
a mente estoura em fios que eu não possuo controle
tudo vem de fora,
alia-se ao que está aqui dentro
como se tivessem vida própria
energias próprias
saindo, esvaindo-se entre os meus dedos,
então medito,
medito o quanto dói,
respiro fundo,
mas o que adianta?
do que vem de dentro...
de nada pode-se fugir.
______________________________________________________

Eu tirei a foto desta linda flor hoje. Parecia mais um dia normal, naquela rotina vazia que estou inserida todos os dias. Mas agora à noite, surgiu um sentimento... um sentimento que eu procuro explicações e de nada adianta tanto pensar e me desgastar. Então, vem o choro... o choro que me dominou,  que não é apenas um instabilidade emocional, mas um desconforto que eu ainda não sei bem nomear, que surge quando me deparo com diversas situações da minha vida. eu não sei mais se estou me portando do modo correto... eu só sei que preciso ser forte, mas ainda não sei quanto... ou se aguento. sentia saudades de me sentar e escrever como tantas vezes antes. postei capítulos, dei uma revisada em minhas histórias, me senti melhor... mas a necessidade do sentimento continuava aqui, me afrontando, fazendo de tudo para que seja expelida [ jogada mesmo ]. e saiu ... não são meus versos mais queridos, mas de tudo que tenho vivido, pode resumir... bem, uma parte... uma parte desse sentimento sem nome. eu vejo as pessoas à minha volta e sinto que precisava falar tudo o que ronda a minha cabeça, mas... eu não vejo em seus olhos o que me acolheria. eu posso estar enganada [ muito ] , mas continuo me encolhendo, tentando usar a "persona" de que estou estável, mas basta um momento, uma fagulha para que eu me desorganize por inteira. dias atrás eu escrevi isto aqui e não tive tempo de postá-lo aqui: 
* se a vida algum dia puder ser vivida como se quer... chamem por mim. eu ouço vozes que não me cabem, canto.. de um jeito frouxo e insosso, em caminhos que nada em nada me ascendem... eu leio palavras que pouco me importam. O lar eu não vejo como lar.. assim como meu corpo, não o entendo como meu próprio corpo.. é apenas pele e osso. então, eu sento a beira do meu próprio abismo e choro, esperando a hora das estrelas... a hora da lua cantar nos céus, buscando guias e respostas... em minha santa tolice.*
cada hora, cada minuto, segundo, essas palavras se confirmam.. eu achei que estava indo para o caminho de me tornar mais rígida... decisiva.. mas estou oscilando novamente, me sentindo frágil e desprotegida... como uma criança perdida.

GMOON

domingo, 19 de novembro de 2017

estranho vermelho


















há um toque de intenso vermelho que consome a minha pele
o vermelho das tuas unhas
a cor rubra que pinta os teus lábios
as pequenas manchas que pintam o teu rosto
quando ouve estes estranhos versos
a sensação deste fogo que consome:
de dentro para fora
há um estranho vermelho que me tira do eixo
alucina-me os sentidos
a cor da carne - pele rubra, delicada
como a pétala de rosa que se desabrocha
bem na palma da minha mão
deixo este manto de vermelho tomar o meu corpo
socorram-me destes teus meigos olhos negros que se pintam
 deste estranho vermelho
o novo tom que desviou minhas linhas


GMOON

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

pequena prosa do dia 15/11/2017



O ano está acabando e eu simplesmente não sei mais o que dizer sobre tudo que tenho vivido até agora. 2017 é um ano de rocha. É um ano de peso, de choro e muita angústia. Eu sei que às vezes eu me concentro muito nos lados negativos das situações, mas dizer que esse ano não foi difícil para mim e, também, para minha família, é uma brincadeira de extremo mau gosto. Além de passar por situações que exigiram lado meu pouco elaborado, acabei por descobrir lados outros que talvez eu não quisesse nem sequer ter contato. É feio, asqueroso. Porém, de certa forma, traz alívio... Ainda não sei como explicar, mas também traz alívio. Eu tive e ainda tenho agora que ser forte, mais concentrada, focando naquilo que realmente importa. Sei que estou cheias de receios quanto ao meu futuro, mas eu mal conseguia pensar muito bem antes e, agora recapitulando tudo.... Eu entendo que algumas coisas tem que ser assim.Apesar de tudo que vivi esse ano, eu aprendi muito. Aprendi sobre as pessoas ao meu redor, sobre a vida (a morte), o mundo e, principalmente, sobre mim mesma. Mas é como dizem: o aprendizado sempre é difícil. O ano ainda não acabou. Faltam poucos dias e eu sei que ainda temos coisas pela frente... Não diria que estou preparada, mas devo continuar em mente que eu tenho de ser forte. Por mais que seja doído aqui dentro.

GMOON



domingo, 5 de novembro de 2017

a soma perdida


esses últimos dias eu tenho jurado a mim mesma ser forte. tenho procurado a soma de mim que nunca foi encontrada e eu precisava resgatar antes que fosse tarde demais . aquela soma de força, coragem, "pé-no-chão"; não preciso peitar todo o mundo... apenas ir fundo, com medo, mas simplesmente ir, buscando reter tudo que me faz crescer, mesmo que o choro venha tantas... tantas vezes.
é angustiante sair da zona de conforto.. .encarar a vida como ela realmente é.
sentindo suas dores, seus apertos, as lágrimas que não parecem ter fim.
ainda não encontrei esta soma perdida, mas continuo na busca, enfim...

GMOON

Recusa




Eu não posso mais te pedir desculpas, querida
Meus sorrisos foram os mais sinceros
Os abraços - meu porto mais seguro
Foram o bem maior que te entreguei
Não tenho nem sequer riquezas
Mas este carinho
Este olhar
       É para toda uma vida
Repeti teu nome em cada passo que dei
Falei de ti em  todas as vias
Escrevi e reescrevi cartas
Você sempre de mãos atadas
       "Ah.. não há muito o que viver."
Recusa-se o poema de um autor sem nome
De uma alma que se inundou de ti
E — de propósito — perdeu-se
de si.


GMOON

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

pessoas tóxicas

o que seria uma pessoa tóxica? 
Venho me perguntando isso todos os dias. Tóxico é aquilo que traz malefícios ao organismo.. Aquilo que devemos evitar, ficar longe pois as consequências de seu uso podem ser até fatais, a depender da potência daquilo que é considerado tóxico....
Dizem que pessoas tóxicas são aquelas que sugam as suas energias... dão opiniões que de nada te acrescentarão... (ou você simplesmente não pediu); aquelas que falam de tudo para te rebaixar; te olham de baixo para cima e riem às escondidas (ou em sua cara mesmo...)? . eu não sei muito bem o que é uma pessoa tóxica. Mas tenho pensado nisso todos os dias. Antes eu não prestava mais tanta atenção no comportamento das pessoas, hoje eu tento vê-las com os olhos, as mãos, os ouvidos.. e toda a minha mente. É um exercício cada vez mais difícil, mas fascinante de certo modo... porém, em alguns momentos, parece muito cansativo. É por isso... Talvez por isso, que eu esteja pensando em pessoas tóxicas. 
Então, eu tenho martelado aqui com os meus botões... talvez seja uma percepção subjetiva. Estar em companhia de alguém que te cansa, suga tudo de você (de qualquer modo, em qualquer contexto); fala coisas que você ... já reconhece em si mesmo ... mas faz questão de sempre reforçar, talvez na intenção de te atingir; não se importa com o que você sente... bem, talvez esta seja uma pessoa tóxica pra mim. Eu posso estar errada - mas eu tenho visto algumas pessoas assim na minha vida e, com certeza, isso está me afetando de uma determinada maneira. Estou me cansando... ando em um passo devagar, a fala e a conversa têm se tornado um sacrifício. Eu nem sei mais o que dizer. às vezes até o olhar no rosto é complicado. 
Meu corpo é novo...tão novo... mas já se comporta como se tivesse mais de sessenta anos. 
Ao mesmo tempo que me conecto ao mundo, sinto vontade cada vez mais de fugir, mas não se sabe para onde. Talvez para dentro de mim mesma, mas esse é um exercício que é bastante perigoso de se executar. Permanecer sempre dentro de si mesmo é um caminho às vezes sem volta. Durante tempos eu estive assim... com esse falante de dentro me dominando, sem enxergar o mundo à frente, mas quando me dei conta e tentei me expandir, me deparo a esse cansaço. E também certo medo... E também certa ansiedade. Algumas pessoas - essas que me parecem tóxicas - estão ao meu lado, mas eu não entendo muito bem o que tanto elas querem de mim. Certas horas parecem amigas, outras aparentam meus próprios carrascos. Então, eu canso.. Canso e aquela sensação de não querer mais nada me abate. De querer voltar ao cantinho, ao protegido e aquele coberto e o frio... o frio que me protegia.
Acho que quanto mais eu me expandir... claro, mais eu vou encontrar novas "gentes.". mas eu tenho receios de encontrar mais pessoas tóxicas por aí e o cansaço me abater completamente. Entretanto, por enquanto... vou continuar tateando, ouvindo... falando e, claro, pensando. me desculpem os gerúndios, mas no momento eu preciso disso. É o processo. 

GMOON

domingo, 22 de outubro de 2017

sinto muito...

Perdoe-me se não posso compartilhar
Aqueles sorrisos contigo
Se os dias meus são tão frios
E se meu linguajar do toque
não coaduna com o seu,
queria te enrolar em minhas palavras
proteger-te ali dentro
mas as minhas lágrimas têm tomado conta de mim
a cada segundo
em cada milimetro do meu corpo
eu jurei a mim mesma
que me sustentaria por todo estes caminhos
mas o suspiro surgiu
e o marejar tomou conta dos olhos
quando vi,
já estava domada
quase morta... longe de ti.


GMOON

poesia e prosa para esvair

O toque O cheiro, a sensação Os nervos que se estressam Os sentimentos que sobem à minha cabeça É sempre igual Seja ...